sábado, 19 de janeiro de 2013

Cristo Redentor

Foto: Marcos Estrella/Agência O Globo

Cão vai todos os dias à igreja em que sua dona foi velada


Sad: Heartbroken Tommy, a seven year old German shepherd, had been adopted by Maria Margherita Lochi, 57, after she found him wandering fields behind her house in San Donaci near Brindisi, Italy

Pining: Tommy the German Shepherd waits faithfully during Mass at the church where his owner Maria Margherita Lochi's funeral was held

Esta história ocorre na Itália. O pastor alemão Ciccio, de 12 anos, é grande conhecido de todos na  Igreja de Santa Maria Assunta, na vila de San Donaci. Ele vai todos os dias à missa, mesmo que sua dona já tenha falecido há dois meses.

Maria Lochi, a dona, era conhecida por todos na comunidade por seu amor a cães e gatos. E ela levava Ciccio todos os dias à missa quando viva. O funeral dela foi na mesma igreja.
“Ele está aqui todas as vezes que eu celebro a missa e é muito comportado – não faz um barulho. Não ouvi nenhum latido dele em todo esse tempo. Deixo ele ficar aqui e nenhum dos fiéis nunca reclamou”, diz o padre Donato Panna ao Daily Mail.

FONTE:


o mundo mais bonito


JMJ Rio 2013: novo canal do site oficial terá 'Lectio Divina' em linguagem jovem


Fotomontagem: Portal Ecclesia

Um novo instrumento de preparação para a Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 estará disponível para os jovens a partir do próximo mês. É o canal "Prepara-se", que todo mês, até a JMJ, disponibilizará conteúdos para a formação espiritual dos peregrinos, como a Lectio Divina jovem, que é a Leitura Orante voltada para os jovens, com um tema diferente a cada mês.

Segundo padre Anísio José Schwirkowski, que reuniu esse conteúdo, seguindo o lema da JMJ Rio2013, "Ide e fazei discípulos entre todas as nações" (Mt 28, 19), a Lectio Divina tem o objetivo de preparar o coração do discípulo no encontro com o Mestre. "Muitas vezes, num encontro, a coisa mais bonita é a preparação. O evento tem outro gosto quando você se prepara bem. Então, queremos formar o coração do discípulo com a Palavra. É ouvindo a Palavra, partilhando-a e colocando-a em prática que se vai formando o discipulado", destacou.

No canal, serão publicados o subsídio para os jovens realizarem a Lectio Divina e um manual com orientações para os guias, que são aqueles que conduzirão as reuniões. Entre as dicas, estão o tamanho ideal do grupo, que deve ter de 10 a 15 pessoas, a necessidade de uma preparação cuidadosa de cada encontro pelos guias e a utilização das novas mídias, sobretudo as redes sociais, para o contato constante entre os integrantes do grupo.

De acordo com o sacerdote, esta Lectio Divina jovem foi preparada por especialistas. "Um biblista que já esteve mais de 20 vezes na Terra Santa escreveu os comentários para cada Lectio Divina de forma exclusiva. Então, são comentários novos. E também as dinâmicas que são sugeridas para os guias foram preparadas também por um especialista", disse.

Fonte: Canção Nova Notícias

Da redação do Portal Ecclesia.
LINK: 

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

sem amor

Google imagens



A inteligência sem amor te faz perverso.

A justiça sem amor te faz implacável.

A diplomacia sem amor, te faz hipócrita.

O êxito sem amor te faz arrogante.

A riqueza sem amo, te faz avarento.

A docilidade sem amor te faz servil.

A pobreza sem amo, te faz orgulhoso.

A beleza sem amor te faz ridículo.

A autoridade sem amor te faz tirano.

O trabalho sem amor te faz escravo.

A simplicidade sem amor te deprecia.

A lei sem amor te escraviza.

A política sem amo te deixa egoísta.

A vida sem AMOR… não tem sentido!


AUTOR desconhecido.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

até o teu silêncio


Pai e filho presbíteros


Depois de viúvo, o pai de Frei Sergio Marcello Dal Moro tornou-se presbítero como o filho. No dia 23 de dezembro de 2012, ele completou 17 anos de ordenação.

Vejamos as palavras do frei sobre este dia:


MEU PAI E COLEGA

No dia 23 de dezembro deste ano, na minha terra natal, Sananduva, interior do Rio Grande do Sul, Brasil, celebramos os 17 anos de presbiterato de meu velho pai e seus 95 anos de vida. Com sua avançada idade e muito debilitado, não perdeu o desejo de servir o povo de Deus e por isso, espera melhorar a saúde para poder voltar a servir as comunidades da paróquia São João Batista. 

Várias vezes concelebramos na igreja da cidade. No dia do natal, porém, concelebramos com a família, no porão de nossa velha casa paterna.

FONTE: 

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Liberdade é decidir-se pelo bem

Google imagens

Na vida sempre fazemos escolhas. Porém, muitas vezes, não tomamos as decisões certas e acabamos seguindo por caminhos errados. Seria maravilhoso se, no momento das nossas decisões, não fôssemos iludidos por nossos sentimentos e paixões, que quase sempre nos levam a caminhos mais complicados do que aqueles que Deus tem para nós.

A grande verdade é que Deus está conosco e quer sempre o melhor para cada um de nós. Para isso, é preciso confiar, abrir o coração e ouvir a voz Dele, pois o Pai sabe o que o filho precisa. Entretanto, você é livre para tomar suas decisões! Aliás, fala-se muito em conquistar a liberdade nos dias de hoje. A Palavra de Deus nos diz: “Se Cristo nos libertar, seremos verdadeiramente livres” (Jo 8,36).

A verdadeira liberdade consiste na capacidade de buscar a prática do bem; é a capacidade do homem de fazer a escolha e a tomada de decisão pela vida. Deus nos convida em todos os momentos a decidir sempre pelo bem. Esta escolha significa querer e fazer o melhor para todas as pessoas, inclusive àqueles que não nos querem bem. Essa busca nos leva a uma maior intimidade com Deus – os amigos do Senhor são homens de paz.

Com isso, não quero dizer que vamos deixar de sofrer! Deus vem em nosso socorro cumprindo aquilo que Ele mesmo disse no Evangelho: “Vinde a mim todos vós que estais cansados por que eu sou manso e humilde de coração, o meu fardo é suave e leve” (Mt 11, 28-30). Permita que através da decisão de fazer o bem, Deus traga a paz ao seu coração.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

FONTE:
http://www.portalecclesia.com/2013/01/liberdade-e-decidir-se-pelo-bem.html

80 mil pessoas se comprometem a rezar o terço todos os dias



O presidente da casa provincial da Congregação da Santa Cruz em Massachusetts, padre John Phalen, apresentou ao Papa Bento XVI um livro que contém 80 mil assinaturas de fiéis ao redor do mundo que se comprometeram a rezar diariamente o terço.

A campanha realizada no marco da celebração do 70º aniversário da congregação consistia em entregar terços gratuitos e as pessoas deixavam sua assinatura. O sacerdote se reuniu com o Papa em dezembro de 2012 ao celebrar-se no Vaticano o congresso internacional sobre o documento de João Paulo II, Ecclesia in América, onde pediu a bênção apostólica e descreveu a experiência como "uma oportunidade especial".

Assinalou também que os compromissos "estão escritos em idiomas que não podemos entender, como por exemplo, alguns pertencentes à Índia e Bangladesh". A campanha do terço começou em 1991 quando o fundador do Apostolado do Terço em Família e Servo de Deus, padre Patrick Peyton, pediu para que rezem pela paz em união aos pedidos da Virgem Maria.

O padre Peyton é um dos sacerdotes americanos mais influentes no século XX em sua nação, foi conhecido como o Sacerdote do Terço e foi pioneiro na evangelização nos meios de comunicação social. Fundou o apostolado do terço em 1942 com o propósito de ajudar às famílias a que rezem e alentava com a frase "Família que reza unida, permanece unida". Faleceu em 1992 em olor de santidade.

FONTE:
http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24680

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

seja


Precisamos ver as pessoas e enxergá-las


Google imagens
O olhar de Jesus


“Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas” (Mc 6,34).

O olhar de Jesus sobre a multidão foi de compaixão, porque Ele viu não simplesmente o aspecto aparente dela, mas enxergou além, tanto que Ele disse que “eram como ovelhas sem pastor”.

Ao longo do dia, vemos muitas pessoas e o nosso olhar sobre elas precisa ser como o de Jesus: compassivo. É claro que na nossa pobreza olhamos muitas somente a aparência e ficamos nela, mas o Senhor nos convida a aprendermos com Ele.

“Aprendei de mim, porque eu sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29).

Peçamos a Ele, ao longo do dia, que nos conceda a graça de ver as pessoas como Ele as vê.

Luzia Santiago - Canção Nova

FONTE:
http://luziasantiago.com/

domingo, 6 de janeiro de 2013

Epifania: De todas a tribos, povos e raças muitos virão te louvar...


Muitos Virão Te Louvar 
Vencedores Por Cristo
Compositor: Guilherme Kerr Netto & Jorge Camargo


De todas as tribos, povos e raças
Muitos virão te louvar.
De tantas culturas, línguas e nações,
No tempo e no espaço, virão te adorar.

Bendito seja sempre o Cordeiro,
Filho de Deus, Raiz de Davi.
Bendito seja o seu santo nome,
Cristo Jesus presente aqui!

Remidos, comprados, grande multidão,
Muitos virão te louvar,
Povo escolhido, teu reino e nação,
No tempo e no espaço, virão te adorar

E a nós, só nos cabe tudo dedicar,
Oferta suave ao Senhor,
Dons e talentos queremos consagrar
E a vida no teu altar, pra teu louvor.

Google imagens

Homilia de Bento XVI: Epifania do Senhor

Google imanges


RÁDIO VATICANO


Amados irmãos e irmãs!

Para a Igreja crente e orante, os Magos do Oriente, que, guiados pela estrela, encontraram o caminho para o presépio de Belém, são apenas o princípio duma grande procissão que permeia a história. Por isso, a liturgia lê o Evangelho que fala do caminho dos Magos juntamente com as estupendas visões proféticas de Isaías 60 e do Salmo 72 que ilustram, com imagens ousadas, a peregrinação dos povos para Jerusalém. Assim como os pastores – os primeiros convidados para irem até junto do Menino recém-nascido deitado na manjedoura – personificam os pobres de Israel e, em geral, as almas simples que interiormente vivem muito perto de Jesus, assim também os homens vindos do Oriente personificam o mundo dos povos, a Igreja dos gentios: os homens que, ao longo de todos os séculos, se encaminham para o Menino de Belém, n’Ele honram o Filho de Deus e se prostram diante d’Ele. A Igreja chama a esta festa «Epifania» – a manifestação do Divino. Se considerarmos o facto de que desde então homens de todas as proveniências, de todos os continentes, das mais diversas culturas e das diferentes formas de pensamento e de vida se puseram, e estão, a caminho de Cristo, podemos verdadeiramente dizer que esta peregrinação e este encontro com Deus na figura do Menino é uma Epifania da bondade de Deus e do seu amor pelos homens (cf. Tt 3, 4).

Seguindo uma tradição iniciada pelo Beato Papa João Paulo II, celebramos a festa da Epifania também como dia da Ordenação episcopal de quatro sacerdotes que daqui em diante irão colaborar, em diferentes funções, com o Ministério do Papa em prol da unidade da única Igreja de Jesus Cristo na pluralidade das Igrejas particulares. A conexão entre esta Ordenação episcopal e o tema da peregrinação dos povos para Jesus Cristo é evidente. O Bispo tem a missão não apenas de se incorporar nesta peregrinação juntamente com os demais, mas de ir à frente e indicar a estrada. Nesta liturgia, porém, queria refletir convosco sobre uma questão ainda mais concreta. Com base na história narrada por Mateus, podemos certamente fazer uma ideia aproximada do tipo de homens que, seguindo o sinal da estrela, se puseram a caminho para encontrar aquele Rei que teria fundado uma nova espécie de realeza, e não só para Israel mas para a humanidade inteira. Que tipo de homens seriam então eles? E perguntemo-nos também se a partir deles, não obstante a diferença dos tempos e das funções, seja possível vislumbrar algo do que é o Bispo e de como deve ele cumprir a sua missão.

Os homens que então partiram rumo ao desconhecido eram, em definitiva, pessoas de coração inquieto; homens inquietos movidos pela busca de Deus e da salvação do mundo; homens à espera, que não se contentavam com seus rendimentos assegurados e com uma posição social provavelmente considerável, mas andavam à procura da realidade maior. Talvez fossem homens eruditos, que tinham grande conhecimento dos astros e, provavelmente, dispunham também duma formação filosófica; mas não era apenas saber muitas coisas que queriam; queriam sobretudo saber o essencial, queriam saber como se consegue ser pessoa humana. E, por isso, queriam saber se Deus existe, onde está e como é; se Se preocupa conosco e como podemos encontrá-Lo. Queriam não apenas saber; queriam conhecer a verdade acerca de nós mesmos, de Deus e do mundo. A sua peregrinação exterior era expressão deste estar interiormente a caminho, da peregrinação interior do seu coração. Eram homens que buscavam a Deus e, em última instância, caminhavam para Ele; eram indagadores de Deus.

Chegamos assim à questão: Como deve ser um homem a quem se impõem as mãos para a Ordenação episcopal na Igreja de Jesus Cristo? Podemos dizer: deve ser sobretudo um homem cujo interesse se dirige para Deus, porque só então é que ele se interessa verdadeiramente também pelos homens. E, vice-versa, podemos dizer: um Bispo deve ser um homem que tem a peito os outros homens, que se deixa tocar pelas vicissitudes humanas. Deve ser um homem para os outros; mas só poderá sê-lo realmente, se for um homem conquistado por Deus: se, para ele, a inquietação por Deus se tornou uma inquietação pela sua criatura, o homem. Como os Magos do Oriente, também um Bispo não deve ser alguém que se limita a exercer o seu ofício, sem se importar com mais nada; mas deve deixar-se absorver pela inquietação de Deus com os homens. Deve, por assim dizer, pensar e sentir em sintonia com Deus. Não é apenas o homem que tem em si a inquietação constitutiva por Deus, mas esta inquietação é uma participação na inquietação de Deus por nós. Foi por estar inquieto conosco que Deus veio atrás de nós até à manjedoura; mais: até à cruz. «Buscando-me, Te sentaste cansado, me redimiste com o suplício da Cruz: que todo o esforço não seja em vão!»: reza a Igreja no Dies irae. A inquietação do homem  por Deus e, a partir dela, a inquietação de Deus pelo homem devem não dar tréguas ao Bispo. É isto que queremos dizer, ao afirmar que o Bispo deve ser sobretudo um homem de fé; porque a fé nada mais é do que ser interiormente tocado por Deus, condição esta que nos leva pelo caminho da vida. A fé leva-nos a um estado em que somos arrebatados pela inquietação de Deus e faz de nós peregrinos que estão interiormente a caminho para o verdadeiro Rei do mundo e para a sua promessa de justiça, de verdade e de amor. Nesta peregrinação, o Bispo deve ir à frente, deve ser aquele que indica aos homens a estrada para a fé, a esperança e o amor.

A peregrinação interior da fé para Deus realiza-se sobretudo na oração. Santo Agostinho disse certa vez que a oração, em última análise, nada mais seria do que a atualização e a radicalização do nosso desejo de Deus. No lugar da palavra «desejo», poderíamos colocar também a palavra «inquietação» e dizer que a oração quer arrancar-nos da nossa falsa comodidade, da nossa clausura nas realidades materiais, visíveis, para nos transmitir a inquietação por Deus, tornando-nos assim abertos e inquietos uns para com os outros. O Bispo, como peregrino de Deus, deve ser sobretudo um homem que reza, deve viver em permanente contato interior com Deus; a sua alma deve estar aberta de par em par a Deus. As dificuldades suas e dos outros bem como as suas alegrias e as dos demais deve levá-las a Deus e assim, a seu modo, estabelecer o contato entre Deus e o mundo na comunhão com Cristo, para que a luz de Cristo brilhe no mundo.

Voltemos aos Magos do Oriente. Eles eram também e sobretudo homens que tinham coragem; tinham a coragem e a humildade da fé. Era preciso coragem a fim de acolher o sinal da estrela como uma ordem para partir, para sair rumo ao desconhecido, ao incerto, por caminhos onde havia inúmeros perigos à espreita. Podemos imaginar que a decisão destes homens tenha provocado sarcasmo: o sarcasmo dos ditos realistas que podiam apenas zombar das fantasias destes homens. Quem partia baseado em promessas tão incertas, arriscando tudo, só podia aparecer como ridículo. Mas, para estes homens tocados interiormente por Deus, era mais importante o caminho segundo as indicações divinas do que a opinião alheia. Para eles, a busca da verdade era mais importante que a zombaria do mundo, aparentemente inteligente.

Vendo tal situação, como não pensar na missão do Bispo neste nosso tempo? A humildade da fé, do crer juntamente com a fé da Igreja de todos os tempos, há-de encontrar-se, vezes sem conta, em conflito com a inteligência dominante daqueles que se atêm àquilo que aparentemente é seguro. Quem vive e anuncia a fé da Igreja também não está, em muitos aspectos, em conformidade com as opiniões dominantes precisamente no nosso tempo. O agnosticismo, hoje largamente imperante, tem os seus dogmas e é extremamente intolerante com tudo o que o põe em questão, ou põe em questão os seus critérios. Por isso, a coragem de contradizer as orientações dominantes é hoje particularmente premente para um Bispo. Ele tem de ser valoroso; e esta valentia ou fortaleza não consiste em ferir com violência, na agressividade, mas em deixar-se ferir e fazer frente aos critérios das opiniões dominantes. A coragem de permanecer firme na verdade é inevitavelmente exigida àqueles que o Senhor envia como cordeiros para o meio de lobos. «Aquele que teme o Senhor nada temerá», diz Ben Sirá (34, 14). O temor de Deus liberta do medo dos homens; faz-nos livres!

Neste contexto, recordo um episódio dos primórdios do cristianismo que São Lucas narra nos Atos dos Apóstolos. Depois do discurso de Gamaliel, que desaconselha a violência contra a comunidade nascente dos crentes em Jesus, o Sinédrio convocou os Apóstolos e os fizeram ser flagelados. Depois proibiu-os de pregar em nome de Jesus e pô-los em liberdade. Lucas continua: Os Apóstolos «saíram da sala do Sinédrio cheios de alegria por terem sido considerados dignos de sofrer vexames por causa do Nome de Jesus. E todos os dias (...) não cessavam de ensinar e de anunciar a Boa-Nova de Jesus, o Messias» (At 5, 41-42). Também os sucessores dos Apóstolos devem esperar ser, repetidamente e de forma moderna, flagelados, se não cessam de anunciar alto e bom som a Boa Nova de Jesus Cristo; hão de, então, alegrar-se por terem sido considerados dignos de sofrer ultrajes por Ele. Naturalmente queremos, como os Apóstolos, convencer as pessoas e, neste sentido, obter a sua aprovação; naturalmente não provocamos, antes, pelo contrário, convidamos todos a entrarem na alegria da verdade que indica a estrada. Contudo o critério ao qual nos submetemos não é a aprovação das opiniões dominantes; o critério é o próprio Senhor. Se defendemos a sua causa, conquistaremos incessantemente, pela graça de Deus, pessoas para o caminho do Evangelho; mas inevitavelmente também seremos flagelados por aqueles cujas vidas estão em contraste com o Evangelho, e então poderemos ficar agradecidos por sermos considerados dignos de participar na Paixão de Cristo.

Os Magos seguiram a estrela e assim chegaram a Jesus, à grande Luz que, vindo ao mundo, ilumina todo o homem (cf. Jo 1, 9). Como peregrinos da fé, os Magos tornaram-se eles mesmos estrelas que brilham no céu da história e nos indicam a estrada. Os santos são as verdadeiras constelações de Deus, que iluminam as noites deste mundo e nos guiam. São Paulo, na Carta aos Filipenses, disse aos seus fiéis que devem brilhar como astros no mundo (cf. 2, 15).

Queridos amigos, isto diz respeito também a nós. Isto diz respeito sobretudo a vós que ides agora ser ordenados Bispos da Igreja de Jesus Cristo. Se viverdes com Cristo, ligados a Ele novamente no Sacramento, então também vós vos tornareis sábios; então tornar-vos-eis astros que vão à frente dos homens e indicam-lhes o caminho certo da vida. Neste momento, todos nós aqui rezamos por vós, pedindo que o Senhor vos encha com a luz da fé e do amor, que a inquietação de Deus pelo homem vos toque, que todos possam experimentar a sua proximidade e receber o dom da sua alegria. Rezamos por vós, para que o Senhor sempre vos dê a coragem e a humildade da fé. Rezamos a Maria, que mostrou aos Magos o novo Rei do mundo (cf. Mt 2, 11), para que, como Mãe amorosa, mostre Jesus Cristo também a vós e vos ajude a serdes indicadores da estrada que leva a Ele. Amém.

BENEDICTUS PP XVI

LINK: 
http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=288272

Google imagnes

sábado, 5 de janeiro de 2013

era ontem


Campanha da Fraternidade completa 50 anos em 2013



A Campanha da Fraternidade será lançada oficialmente no dia 13 de fevereiro, quarta-feira de cinzas. Após 21 anos da Campanha da Fraternidade de 1992, que abordou como tema central a juventude, a CF de 2013, na sua 50ª edição, terá a mesma temática.

O tema "Fraternidade e Juventude" tem como objetivo ser mais um elemento para fortalecer o desejo de evangelização dos jovens.

De acordo com o presidente da Comissão para Juventude da CNBB, dom Eduardo Pinheiro, uma das metas principais da CF 2013 é olhar a realidade juvenil, compreender a riqueza de suas diversidades, potencialidades e propostas, como também os desafios que provocam atitudes e auxílios aos jovens e aos adultos.

"O objetivo geral da Campanha é acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção de uma sociedade fraterna, fundamentada na cultura da vida, da justiça e da paz", disse dom Eduardo.

Para dom Eduardo os jovens são os novos agentes de comunicação, pois nasceram na era digital e detém o conhecimento técnico.

"Tem-se que reconhecer que o mundo digital está nas mãos da juventude. O novo jeito de o jovem ser e interagir tem suas raízes nessa comunicação em rede. Ele respira e vive na chamada ambiência midiática, uma teia de novas tecnologias em que se pode ser ouvido, visto, considerado. Comunicar não é, portanto, apenas uma questão instrumental, mecânica, unidirecional, é inter-relacional, é vida", concluiu.


Fonte: A12.com

Da redação do Portal Ecclesia.

LINK:
http://www.portalecclesia.com/2013/01/campanha-da-fraternidade-completa-50.html

As novelas podem provocar divórcios?




Um estudo realizado pelo Banco Interamericano do Desenvolvimento – BID, constatou que as novelas fazem aumentar o número de divórcios no Brasil. Alberto Chong é coordenador da pesquisa. Os pesquisadores analisaram as três últimas décadas e verificaram que a taxa de divórcios no Brasil cresceu cinco vezes desde 1980.

Segundo o resultado das pesquisas do BID, a porcentagem de mulheres divorciadas é maior nas regiões onde se pode sintonizar a Rede Globo, em especial nas pequenas comunidades que recebem o sinal dessa emissora.

Infelizmente qualquer pessoa sabe que isso é verdade, mas a pesquisa vem comprovar esta tristeza para aqueles que ainda acham que as novelas brasileiras são inofensivas. Na verdade elas fazem uma pregação sistemática de anti-valores, destruindo os pilares da civilização cristã; fomenta o divórcio, incentiva o sexo livre e sem compromisso, fora e antes do casamento, enaltece a luxúria, promove a vida luxuosa e vazia, elimina Deus da vida das pessoas, etc.,etc., etc.

As cenas de sexo e de beijos são permanentes, em horários onde as criancinhas estão na sala vendo tudo e aprendendo um comportamento perverso, desordenado, anti-cristão. Que tudo isso sirva de alerta aos pais para que amanhã não venham a estranhar o comportamento dos seus filhos, mesmo os menores de idade.

Professor Felipe Aquino

Da redação do Portal Ecclesia.

FONTE:
http://www.portalecclesia.com/2013/01/as-novelas-podem-provocar-divorcios.html

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

simples escolhas


Mãe dos sacerdotes, "dom único e especial"

Google imagens

Cidade do Vaticano (RV) – “No ocidente secularizado, as mães dos sacerdotes e dos seminaristas constituem um verdadeiro recurso para apoiar seus filhos e acompanhá-los em sua vocação.” Assim o Prefeito da Congregação para o Clero, Card. Mauro Piacenza, se dirige às mulheres que, em virtude de sua maternidade, têm filhos que se tornaram ou se tornarão padres. 

Pela primeira vez, o Cardeal dedicou uma mensagem a todas as mães de sacerdotes, seminaristas e a todas aquelas que exercem com eles o dom da maternidade espiritual. A carta é intitulada "Causa nostrae Letitiae - Causa da nossa alegria", e está publicada no site www.clerus.org. 

No documento, o Cardeal destaca o papel desempenhado pela família no nascimento da vocação sacerdotal. “É na família que a vocação sacerdotal encontra o terreno fértil no qual a disponibilidade à vontade de Deus pode enraizar-se e tirar o indispensável alimento. Ao mesmo tempo, cada vocação representa, também para a própria família, uma novidade irredutível, que foge dos parâmetros humanos e chama a todos, sempre, para a conversão. Nesta novidade, a participação das mães dos sacerdotes é “única e especial”. 

“Toda mãe, de fato, só pode alegrar-se ao ver a vida do próprio filho, não somente repleta, mas cheia de uma especialíssima predileção divina que abraça e transforma pela eternidade.”

Se em virtude da vocação e da ordenação aparentemente se produz uma "distância" inesperada com relação à vida do filho – explica o Cardeal -, na realidade a experiência de dois mil anos da Igreja ensina que a mãe "recebe" o filho sacerdote de um modo totalmente novo e inesperado, tanto que foi chamada a reconhecer no fruto do próprio ventre, por vontade de Deus, um "pai" chamado a gerar e acompanhar para a vida eterna uma multidão de irmãos. Cada mãe de um sacerdote é misteriosamente "filha do seu filho". Poderá exercer com ele uma nova "maternidade".

O Card. Piacenza então conclui sua carta: “Por esta razão, desejo com todo o coração encorajar e agradecer especialmente todas as mães dos sacerdotes e dos seminaristas e - com elas - a todas as mulheres, consagradas e leigas, que acolheram o dom da maternidade espiritual dos chamados ao ministério sacerdotal, tornando-se assim partícipes, de modo especial, da maternidade da Santa Igreja, que tem o seu modelo e a sua realização na divina maternidade de Maria Santíssima”.

FONTE: 

Como são criados os 'tweets' do Papa?



foto Google imagens


Cidade do Vaticano (RV) – Em entrevista concedida à agência católica estadunidense ‘Catholic World News’ (CWN), o Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais descreveu o processo com o qual os ‘tweets’ do Papa Bento XVI são enviados:

“O departamento da Secretaria de Estado encarregado disso prepara um texto, que o Papa deve aprovar”, disse o Arcebispo Claudio Maria Celli, que dirige o dicastério desde 2007. “Nós acreditamos fortemente e desejamos que os tweets sejam realmente de Bento XVI”.

Dissertando a respeito das reações às mensagens do Papa no Twitter, Dom Celli acrescentou que “temos recebido mensagens lindas de jovens, e com conteúdo variado - às vezes brincando, algumas ofensivas e as mensagens críticas também, mas, para nós, que vivemos nessas circunstâncias, não foi nenhuma surpresa, confesso”. 

“Estávamos plenamente conscientes do que iria acontecer: quando o Papa deseja entrar em diálogo com o homem moderno e se coloca a esse nível, os riscos são levados em consideração”. 
(CM)

FONTE:
http://pt.radiovaticana.va/bra/Articolo.asp?c=652796

Textos de Santo Agostinho traduzidos para o árabe

Santo Agostinho - Google imagens


Gênova (RV) – “Traduzam Santo Agostinho em árabe para que possamos conhecê-lo”. Este foi o pedido feito em 2001 pelo Presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika e por diversos estudiosos de universidades islâmicas, por ocasião do Colóquio Internacional de Argel.
Onze anos após – refere o L´Osservatore Romano -, os padres agostinianos descalços do Santuário de Nossa Senhora de Gênova responderam ao pedido traduzindo para o árabe os textos mais representativos, na expectativa de que a iniciativa possa contribuir para uma aproximação entre cristãos e muçulmanos. Os textos serão divulgados via internet para que possam ser acessíveis a todas as famílias.
Os padres agostinianos descalços desejam que os textos traduzidos sejam lidos nas Universidades em Túnis, no Cairo e em Argel. “Tenho a intenção – acrescentou Padre Cavallari -, de escrever ao Presidente da Argélia para lhe dizer que estamos respondendo ao pedido do mundo islâmico feito em 2001. Desejamos que os estudantes universitários muçulmanos possam se aproximar sempre mais da espiritualidade e do pensamento de Santo Agostinho com o objetivo de melhorar o diálogo entre as duas religiões. Agostinho deve ser a ponte entre o mundo islâmico e o ocidente”, frisou o sacerdote agostiniano.
“O nosso objetivo, - explicou Padre Eugenio Cavallari - é contribuir para o diálogo entre o mundo muçulmano e o ocidente para um novo futuro de unidade e de paz, através de Santo Agostinho”. “Este é o nosso sonho”.
O Bispo Santo Agostinho, que nasceu no ano de 354 em Tagaste, atual Souk Ahras, e morreu em 430 em Hipona, atual Annaba, - cidades localizadas na atual Argélia -, é considerado pelos árabes "como um deles", por isso a sua africanidade é estratégica. (JE)

FONTE:
http://pt.radiovaticana.va/bra/Articolo.asp?c=652731

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

coisas novas


Terço dos Homens: romaria nacional acontece no fim de fevereiro


Terço dos Homens: 
romaria nacional acontece no fim de fevereiro
Publicado em 03/01/2013, às 15:01.

A oração é um dom da graça e uma resposta decidida de cada cristão. Rezar o terço nos conduz a oração e nos faz meditar sobre os principais mistérios da redenção que Cristo nos oferece.

O Santuário Nacional de Aparecida acolhe no dia 23 de fevereiro centenas de homens para rezar o Terço aos pés de Nossa Senhora Aparecida, durante a V Romaria Nacional do Terço dos Homens.

De acordo com o prefeito de Igreja do Santuário Nacional, o missionário redentorista, irmão João Batista de Viveiros não basta apenas rezar. É preciso fazer algo para confirmar a oração que rezamos.

O missionário redentorista explicou que desde a primeira romaria do Terço dos Homens o encontro cresceu muito e ressaltou também que com a participação das crianças, o Movimento já ganhou uma versão mirim em algumas cidades.

A romaria contará com a presença de dom Gil Antônio Moreira, arcebispo de Juiz de Fora, MG, e bispo referência do Terço dos Homens na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e monsenhor Darci José, nomeado bispo auxiliar da arquidiocese de Aparecida. O show com o padre Antônio Maria encerrará o evento.

Fonte: A12.com

Da redação do Portal Ecclesia.

FONTE: 

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

novos, novas


Taizé em Roma



Termina nesta quarta-feira, 2, o 35º Encontro Europeu da Comunidade de Taizé. 

Durante quase uma semana, milhares de jovens provenientes de todo o continente europeu participaram em Roma de mais uma etapa da chamada “Peregrinação de confiança através da Terra”, iniciada pelo fundador, Irmão Roger, mais de trinta anos atrás.

O tema do encontro foi centralizado na vida interior e na solidariedade na família humana e se desenvolveu através de um programa intenso, constituído pela oração comum, pela partilha em pequenos grupos internacionais, por encontros de reflexão e por pequenas peregrinações nas pegadas dos primeiros cristãos. Pela manhã, os peregrinos se reuniam nas paróquias romanas, e à tarde, no centro da cidade.

O ápice do evento foi o encontro com o Papa Bento XVI na Praça São Pedro, no último sábado. Mais de quarenta mil pessoas, sobretudo jovens, participaram de um momento de oração comovente. Católicos, protestantes e ortodoxos deixaram transparecer, principalmente, a vivacidade do ecumenismo.

Bento XVI encorajou os jovens a serem “portadores da comunhão” e chamou-lhes “pequenas luzes” para a sociedade que merece “uma distribuição mais equitativa dos bens da terra” e “uma nova solidariedade humana”.

Desses milhares de participantes, mais de 700 eram oriundos de Portugal. O Programa Português da nossa emissora os contatou, vamos ouvir esse testemunho:

O Prior da Comunidade, Irmão Alois, anunciou que a próxima etapa da “Peregrinação de confiança através da Terra” será em 2014 na cidade de Estrasburgo, França, sede do Parlamento europeu, do Conselho da Europa e da Corte europeia dos Direitos Humanos. 


FONTE:
http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=288240

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

segue


FRANCISCANOS na JMJ Rio 2013



LOGOMARCA


EXPLICAÇÃO DA LOGO

O traçado na cor marrom representa o Pão de Açúcar, ponto turístico conhecido mundialmente, e faz alusão à cidade do Rio de Janeiro, sede da JMJ. Junto à forma do Pão de Açúcar, um traçado oval, também na cor marrom, forma a silhueta de São Francisco, o inspirador do movimento franciscano. A imagem de São Francisco se completa com o sol representado logo acima de sua cabeça, simbolizando a sincera santidade e a afinidade de Francisco com as criaturas de Deus. A cruz, em amarelo, remete à JMJ. A pomba, na cor azul, como se estivesse saindo da mão de Francisco, simboliza a missão de todos os que anunciam o Evangelho, como anunciadores da “Paz e do Bem”.



FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA E FRANCISCANA

O envio apostólico “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28, 19), que inspira a Jornada Mundial da Juventude, só é se concretiza a partir de uma real experiência de Deus. Desejoso em seguir o Mestre, o discípulo deve “embriagar-se de amor divino para depois levar ao mundo esse grande vinho da alegria”. E não há dúvida de que, entre tantos santos e santas, Francisco de Assis aponta um caminho inspirador para a experiência concreta do encontro com o Senhor. Francisco sente-se enviado e também envia seus irmãos como mensageiros da paz.

No seu Testamento, chega a dizer: “Como saudação, revelou-me o Senhor que disséssemos: ‘O Senhor te dê a paz’” (Test 23). É saudação missão. “Enviou dois a dois com a incumbência de anunciarem a paz: ‘Ide, queridos irmãos, ide dois a dois ao mundo e anunciai ao homem a paz’” (1Cel 29). Essa saudação, mais adiante, foi condensada na forma “Paz e Bem”, tão difundida até os dias de hoje. O ideal franciscano não é patrimônio exclusivo dos seguidores diretos do Santo de Assis, mas diz respeito a todos que reconhecem em São Francisco uma inspiração para vida do discípulo de Cristo. O discípulo missionário que toma para si como inspiração o carisma franciscano compromete-se existencialmente a encarnar, a tornar viva e eficaz a Paz de Cristo anunciada e vivida por Francisco.

USO DA LOGOMARCA

A logomarca Franciscanos na JMJ é de uso livre e irrestrito. Pode ser reproduzida em quaisquer meios de comunicação e divulgada em todas as mídias. Podem ser ainda produzidos materiais promocionais e de divulgação, como camisas, bonés, chaveiros etc. A única exigência é que seja respeitado o projeto original.


PRESENÇA FRANCISCANA NA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE 2013

Nós, franciscanos e franciscanas do Brasil e do mundo, estaremos presentes na cidade do Rio de Janeiro, dos dias 23 a 28 de julho de 2013. Como irmãos e irmãs em Francisco e Clara de Assis, buscaremos ser presença simples juntamente com milhares de jovens de todas as partes do mundo.
Nossa programação seguirá a programação oficial da Jornada Mundial, dentro da qual marcaremos a nossa presença. Dentre os diversos leques de atividades oferecidas, apresentaremos a nossa opção, sob a inspiração de Francisco e Clara!

Sendo assim, apresentamos a vocês, o que estamos organizando para que vocês se sintam bem em nosso meio durante os dias da Jornada:



“ESPAÇO FRANCISCANO”, QUE SERÁ A NOSSA REFERÊNCIA NA JORNADA.

Local: Igreja de São Francisco da Penitência, da OFS, no Largo da Carioca, centro do Rio de Janeiro.

Nele acolheremos todos os jovens que quiserem passar algum momento conosco durante o dia, para nos conhecer melhor e conhecer um pouco mais sobre Francisco e Clara de Assis. As atividades oferecidas ali serão diversas: oficinas de trabalhos manuais, teatro, música, oração, enfim, uma gama de atividades para envolver os jovens no tempo que estiverem conosco.

ENCONTRO COM OS MINISTROS GERAIS DOS 4 RAMOS DA ORDEM FRANCISCANA E A MINISTRA GERAL DA OFS.

Local: Igreja de São Sebastião, dos frades capuchinhos, no bairro da Tijuca;

Encontro aberto a todos os jovens, de forma especial a todos os franciscanos e franciscanas do Brasil e do mundo, com o objetivo de alimentar a chama do carisma franciscano nos jovens presentes, através das palavras daqueles que buscam viver nos dias de hoje o ideal de vida do “pobrezinho de Assis”.

FEIRA VOCACIONAL, QUE ACONTECERÁ COM ORGANIZAÇÃO PRÓPRIA E NA QUAL TEREMOS O NOSSO ESPAÇO.

Local: Praia Vermelha – Urca

A cada ano, a feira vocacional se torna mais ampla e pode mostrar a diversidade de congregações, ordens, institutos de nossa Igreja. A Família Franciscana do Brasil estará presente na feira com um stand vocacional. Visite também este espaço e deixe-se guiar pela espiritualidade da cruz sob a ótica franciscana.


FONTE:
http://jmjfranciscanos.com/#!/

Mil jovens consagrados em Aparecida-SP

freirubens_002
Frei Rubens Nunes da Mota, OFMCap

Congresso deve reunir cerca de mil jovens consagrados em Aparecida/SP

 Com o tema “Novas Gerações: Tecendo relações, construindo caminhos o Congresso das Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada pretende reunir em Aparecida-SP, no Espaço Cultural Padre Vitor Coelho, cerca de mil religiosos e religiosas jovens, de 09 a 12 de fevereiro de 2013. O evento é uma organização da CRB Nacional - Conferência dos Religiosos do Brasil sob coordenação do Assessor Executivo para as Juventudes, Frei Rubens Nunes da Mota, OFMCap (foto), a representante  da Diretoria da CRB Nacional, Irmã Lourdes Oro, sds, e um representante da Vida Religiosa Jovem de cada regional da CRB.

“O objetivo deste Congresso Nacional é redescobrir caminhos para assumir o protagonismo das Novas Gerações da Vida Religiosa Consagrada, favorecer a espiritualidade, as relações fraternas, e a missão, para ser testemunho profético diante da realidade atual”, informou.

De acordo com o assessor, se entende por ‘Novas Gerações da Vida Religiosa, todos os consagrados que fizeram os primeiros votos ou votos temporários, até 10 anos de votos perpétuos. Para  ele o que motiva a continuidade dos Congressos para este publico da Vida Consagrada é o fato de que, conforme apontam as pesquisas, os grandes hiatos, as grandes crises da Vida Religiosa se encontram nessa fase da vida.

“O Congresso não é um ponto final, nem ponto de partida, mas fruto de uma caminhada. Queremos que este momento seja uma motivação para que nas regionais da CRB possam continuar a formação de grupos ‘Novas Gerações’ que deem continuidade ao processo de partilha da vida, troca de experiências, de rezar juntos/as para continuarem fiéis no caminho e missão”, afirmou.

LOURDES_ORO_DIRETORIA_DA_CRBNACIO
Irmã Lourdes Oro, SDS
A representante e membro da Diretoria da CRB Nacional, Irmã Lourdes Oro, sds, falou sobre as perspectivas da CRB sobre este evento. “A primeira perspectiva é que este Congresso seja para a Juventude Religiosa, um momento de revigoramento, de retomada da Vida Consagrada, da sua opção vocacional, com novo ânimo, com novo vigor e reencantamento do chamado vocacional e do espírito missionário. Uma outra perspectiva é que a Juventude da Vida Consagrada tenha neste Congresso um espaço onde possam renovar o seu compromisso com a vida e a missão da Vida Religiosa. Que se sintam convocados, compromissados e valorizados, relatou.
Para Irmã Lourdes, a cidade de Aparecida é o melhor lugar para a realização do evento: “É muito bom que seja em Aparecida pois Nossa Senhora é a nossa padroeira e é importante que a Vida Religiosa Jovem faça essa peregrinação até ao Santuário no sentido de ir ao encontro da Mãe da Vida Consagrada, a padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida”, concluiu. 
Público alvo do 2º Congresso das Novas Gerações

Participam do Congresso, religiosos e religiosas até 10 anos de votos perpétuos, superiores, conselheiros e formadores das congregações afins, membros das diretorias regionais e acompanhantes dos grupos novas gerações. Para fazer a inscrição, entre em contato com a CRB: (61) 3224-4249 ou solicite a ficha de inscrição por e-mail: rosenildep@gmail.com (Irmã Rosenilde) e secretaria3@crbnacional.org.br (Leandro).

FONTE: 

Paróquia Santa Maria Mãe

  Igreja-matriz da Paróquia Santa Maria Mãe  Natal-RN, 02/12/2022