quinta-feira, 28 de junho de 2012

PROCESSO DE FREI DAMIÃO FOI ENTREGUE HOJE, PELA MANHÃ, NO VATICANO

Hoje, pela manhã, o vice-postulador Frei Jociel Gomes, acompanhado pelo postulador geral Frei Florio Tessari e outros confrades, entregou a documentação referente ao processo diocesano para a beatificação e canonização de Frei Damião na Chancelaria da Congregação da Causa dos Santos, no Vaticano.
Momento em que o Chanceler e Frei Jociel abrem as caixas,
depois de terem a autorização por escrito do Cardeal Ângelo Amato
Freis Cláudio, Jociel e Bosco com o postulador geral Frei Florio
na porta da Congregação

soltar palavras


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Frei Salvio OFMCap. - Eremita Caruaru/PE


Frei Salvio é frade capuchinho da Província a qual faço parte e neste vídeo fala um pouco da sua experiência. Ele tem um trabalho extraordinário de meditação cristã com os leigos com vários grupos já criados tanto em Caruaru como em cidades vizinhas.

estabelece


quarta-feira, 13 de junho de 2012

Coletiva de Imprensa - Capuchinhos e Prefeitura - sobre não ida de Marcelo Rossi a Caruaru



Frades Capuchinhos e Organizadores da "ida" do padre Marcelo Rossi a Caruaru explicam o cancelamento da visita ao local onde vai ser o Santuário de Frei Damião.

SANTO ANTÔNIO


 

Biografia

Santo António (português europeu) ou Antônio (português brasileiro) de Lisboa, internacionalmente conhecido como Santo António de Pádua, OFM (Lisboa, 15 de Agosto de 1191-1195 ? - Pádua, 13 de Junho de 1231), de seu nome de batismo Fernando Martins de Bulhões, foi um Doutor da Igreja que viveu na viragem dos séculos XII e XIII.

Primeiramente foi frade agostiniano, tendo ingressado como noviço (1210) no Convento de São Vicente de Fora, em Lisboa, indo posteriormente para o Convento de Santa Cruz, em Coimbra, onde fez seus estudos de Direito. Tornou-se franciscano em 1220 e viajou muito, vivendo inicialmente em Portugal, depois na Itália e na França. No ano de 1221 passou a fazer parte do Capítulo Geral da Ordem de Assis, a convite do próprio Francisco, o fundador, que o convidou também a pregar contra os albigenses em França. Foi transferido depois para Bolonha e de seguida para Pádua, onde morreu aos 36 (ou 40) anos.

Sua fama de santidade o levou a ser canonizado pela Igreja Católica pouco depois de falecer, distinguindo-se como teólogo, místico, asceta e sobretudo como notável orador e grande taumaturgo. Santo António de Lisboa é também tido como um dos intelectuais mais notáveis de Portugal do período pré-universitário. Tinha grande cultura, as referências ilustrativas que apresentava em seus sermões indicam que ele estava familiarizado com as obras de Plínio, o Velho, Cícero, Sêneca, Boécio, Galeno e Aristóteles, entre outros autores clássicos, sendo versado em diversos aspectos das ciências profanas. Seu grande saber o tornou uma das mais respeitadas figuras da Igreja Católica de seu tempo. Foi o primeiro Doutor da Igreja franciscano, e seu conselho era buscado pelo próprio São Francisco. São Boaventura disse que ele possuía a ciência dos anjos.
Sua pregação e seus escritos

Entre suas várias qualidades, chamou a atenção de seus contemporâneos seu admirável dom como pregador. Muitas descrições de época referem o fascínio que sua fala exercia sobre as multidões de pessoas simples e também sobre clérigos doutos, e embora o efeito de sua oração a viva voz não possa mais ser recuperado, seu estilo e os conteúdos que abordava podem ser conhecidos em parte através dos 77 sermões que sobreviveram e constam em sua obra publicada em edição crítica, Sermões Dominicais e Festivos, e que são considerados autênticos, conforme disse José Geraldo Freire. São textos eloquentes, persuasivos, cheios de zelo messiânico, sendo frequentes a defesa do pobre e a reprimenda do rico, e o combate às heresias de seu tempo, como as dos albigenses e valdenses, com uma eficácia tanta que lhe foi dado o apelido de malleus hereticorum (o martelo dos heréticos).
Iconografia e Milagres

A sua representação iconográfica de longe mais frequente é a de um jovem tonsurado envergando o hábito dos frades franciscanos, segurando o Menino Jesus sobre um livro ou entre os braços, a quem contempla com expressão terna, e tendo uma cruz, ou um ramo de açucenas, na outra mão. Esses atributos podem ser substituídos por um saco de pão, que distribui entre pobres ou idosos. O milagre da aparição do Menino Jesus ao santo durante uma de suas orações é uma cena multiplicada abundantemente em sua iconografia. 
Diz a tradição que em sua curta vida operou muitos milagres, como seguem alguns exemplos: Certa feita, meditando à beira-mar sobre a frequente aparição da imagem do peixe nas Escrituras, os peixes teriam se reunido a seus pés para escutá-lo. Restaurou o pé amputado de um jovem; soprou na boca de um noviço para expulsar as tentações que sofria, confirmando-o em sua vocação; quando hereges colocaram veneno em sua comida para verificar sua santidade, o santo fez o sinal da cruz sobre o alimento, comeu-o e nada sofreu, para o vexame dos seus tentadores.
Também é bastante conhecido um milagre ocorrido durante sua pregação num consistório diante do papa, inúmeros cardeais e clérigos, e gentes de várias nações, quando, discorrendo com sutilíssimo discernimento sobre intrincadas questões teológicas, todos ouviram sua pregação na sua própria língua materna. Na ocasião, diante de tão assombroso fenômeno, que parecia uma reedição do Pentecostes bíblico, o papa o teria chamado de "a arca do Testamento, o arsenal da Sagrada Escritura".
Devoção

É considerado padroeiro dos amputados, dos animais, dos estéreis, dos barqueiros, dos velhos, das grávidas, dos pescadores, agricultores, viajantes e marinheiros; dos cavalos e burros; dos pobres e dos oprimidos; é padroeiro de Portugal, e é invocado para achar-se coisas perdidas, para conceber-se filhos, para evitar naufrágios, para conseguir casamento. 
A devoção popular o colocou entre os santos mais amados do Cristianismo, cercou-o de riquíssimo folclore e lhe atribui até os dias de hoje inúmeros milagres e graças. Igrejas a ele consagradas se multiplicam pelo mundo, tem vasta iconografia erudita e popular, a bibliografia devocional que ele inspira é volumosa, e em sua homenagem uma quantidade incontável de pessoas recebeu o nome Antônio, além de inúmeras cidades, bairros e outros logradouros públicos, empresas e mesmo produtos comerciais em todo o mundo também terem seu nome.

É um dos santos honrados nas popularíssimas Festas Juninas e diversos costumes folclóricos estão ligados ao santo. A título de exemplo, no Brasil moças casadoiras retiram o Menino Jesus das estátuas e só o devolvem quando arrumam casamento; uma prece especial, os "responsos", são feitas para que ele ajude a encontrar objetos perdidos; no dia de sua festa muitas igrejas distribuem um pão especialmente abençoado, os "pãezinhos de Santo Antônio", que deve ser guardado em uma lata de mantimentos para que não falte alimento na casa.

Ele teve inclusive uma brilhante carreira militar póstuma. Inúmeras cidades da Espanha, Portugal e Brasil lhe conferiram títulos militares, condecorações, insígnias e outras honrarias, iniciando-se o curioso hábito quando o regente Dom Pedro ordenou em 1668 que ele fosse recrutado e assentasse praça como soldado raso no II Regimento de Infantaria em Lagos, sendo promovido sucessivamente a capitão e coronel. Com o posto de tenente-coronel, sua imagem foi levada pelo XIX Regimento de Infantaria em Cascais à frente dos combates da Guerra Peninsular, recebendo depois uma condecoração. Dom João VI, apos o feliz desembarque no Brasil em sua fuga da invasão napoleônica, o nomeou sargento-mor, promovendo-o depois a tenente-coronel. No Brasil foi onde recebeu mais títulos, recebendo inclusive soldo em vários locais até depois de proclamada a República. Em Igarassu foi nomeado oficialmente Protetor da Câmara de Vereadores.
Língua Incorrupta

Sua fama de santidade era tamanha que foi canonizado logo no ano seguinte, em 30 de maio, pelo papa Gregório IX. Os seus restos mortais repousam desde 1263 na Basílica de Santo Antônio de Pádua, construída em sua memória logo após sua canonização. Quando sua tumba foi aberta para iniciar o processo de translado, sua língua foi encontrada incorrupta, e São Boaventura, presente no ato, disse que o milagre era prova de que sua pregação era inspirada por Deus. E incorrupta está até hoje, em exposição na Capela das Relíquias da Basílica. Foi proclamado Doutor da Igreja pelo papa Pio XII em 16 de janeiro de 1946 e é comemorado no dia 13 de junho.

IMAGENS: Google imagens
FONTE: Wikipédia



milagres de Santo Antônio

São muitos os milagres atribuídos a Santo António, ocorridos tanto em vida como após a morte.
Conta a lenda que Santo António foi um dia pregar à cidade de Limoges, em França. Estavam todos em silêncio a ouvir o Santo, em lugar aberto, quando desabou uma grande tempestade sobre a multidão, que ficou atemorizada pela violência dos raios e dos trovões. Santo António, porém, aconselhou os ouvintes a ficar, assegurando-lhes que, com a ajuda de Deus, nem uma gota de chuva os atingiria. O local onde estavam os ouvintes ficou enxuto, enquanto, à volta, ficou completamente encharcado. 
Uma outra vez, em Rimini, perante hereges cátaros que se tinham reunido para evitar a evangelização, houve um sermão que ficou célebre. Defrontado com a indiferença da população, Santo António dirigiu-se aos peixes do mar que surgiram, aos milhares e, muito organizados, emergiram as suas pequenas cabeças para ouvir a palavra de Deus. Homens e mulheres acorreram para ver esta maravilha, tendo muitos deles acabado convertidos. 
Santo Antônio pregava sobre o Santíssimo Sacramento em Toulouse, sul da França, ano 1227. No meio da pregação um senhor se levantou e o desafiou, contradizendo que a presença de Cristo na Hóstia Consagrada era uma mentira.Ele disse: – O Senhor pode discursar durante horas, mas a verdade é que os fatos reais estão contra seus argumentos. É impossível que Cristo esteja presente na Hóstia Consagrada.
Santo Antônio lhe respondeu: – Que problema há no corpo de Cristo estar velado pelas aparências do pão e do Vinho. Conforme suas próprias palavras. E senhor incrédulo o desafia: – Não, não há problema. Contudo se Cristo está presente nesta Hóstia, sua presença deveria ser sentida por todas as criaturas viventes. Então pegarei minha mula, e na próxima missa estaremos aqui diante da Hóstia e se a mula a respeitar, acreditarei no senhor e na sua fé. Santo Antônio, após ouvir uma inspiração divina, resolve concordar com o desafio. Passou-se três dias, e uma multidão se aglomerou na praça, muitos pela missa e outros tantos para conferir o resultado do desafio do homem infiel. Enquanto Santo Antônio caminhava com o Santíssimo Sacramento e todos os católicos se colocavam de joelhos rezando. O senhor infiel chega conduzindo sua mula, a qual maliciosamente foi privada de alimento durante os últimos dias. Faminto, o animal estava tão violento que nem o próprio dono obedecia. Contudo, ao se aproximar do Santíssimo, a mula se acalmou, e diante de todos ali presentes, milagrosamente a mula se ajoelhou perante a Hóstia Consagrada ostentada por Santo Antônio.O Milagre gerou gritos e admiração por todos, os católicos entoaram cânticos emocionados. Muitos hereges que ali estavam por curiosidade se converteram ao catolicismo, assim como o senhor dono da mula que reconheceu imediatamente a presença de Cristo, se ajoelhou também se convertendo ao catolicismo após ter pedido perdão por ter sido tão incrédulo.

Alguns hereges resolveram matar Santo Antônio, envenenando-o. Convidaram-no para comer com eles, dando como pretexto debater sobre alguns pontos da Fé. Santo Antônio sempre aceitava comparecer a esses debates e polêmicas. Os hereges puseram diante dele, entre outros pratos, um que continha veneno mortal. Antes que o tocasse, Deus revelou-lhe a cilada e o Santo, conservando toda a calma, repreendeu os hereges pela traição.
Vendo revelado o intento perverso, os hereges não se abalaram e responderam cinicamente: “É verdade que esse prato tem veneno, mas nós o colocamos aí porque desejamos fazer uma experiência: no Evangelho está escrito que Jesus Cristo disse aos seus discípulos que ainda que tomassem veneno mortal nenhum mal sofreriam e estamos querendo saber se és de fato discípulo de Cristo”. Santo Antônio fez o sinal da Cruz sobre aquele prato e o comeu com apetite, saboreando a comida envenenada como se fosse alimento saudável, e nada sofreu, deixando mais uma vez os hereges confusos e assombrados.


A imagem de Santo António é, como se sabe, representada com o Menino Jesus ao colo pela grande cumplicidade e companheirismo entre os dois. Conta a lenda que, em Mação, ia o Santo buscar lenha do outro lado do Tejo, a pedido de sua mãe, quando verificou, na volta, que barco e barqueiro tinham desaparecido. Preocupado por saber que a mãe o esperava do outro lado, Santo António pediu ajuda ao Menino que lhe apareceu. Este disse-lhe que atirasse o feixe de lenha ao rio que Ele o conduziria para a outra margem. Diz a lenda que Santo António apareceu do outro lado do rio com o Menino ao colo. 
Uma outra vez, em Pádua, Santo António hospedou-se em casa de um homem rico que o surpreendeu a conversar com o Menino Jesus e que só foi autorizado a revelar o que tinha visto depois da morte do Santo. 

IMAGENS: Google imagens

FONTES

terça-feira, 12 de junho de 2012

Algo em comum




Tem algo em comum
Entre eu e você
Olhe nos meus olhos, veja
Quanto mais eu sei
Mais eu quero crer
Que Deus tem planos
Pra mim e você


Que bom perder a hora
Não ver o tempo passar
Só pra me encontrar contigo


Que bom falar de Deus
Do amor que é todo luz
Dois apaixonados por Jesus.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Causa de Dom Vital entregue aos Capuchinhos



No domingo, dia 27 de maio, o Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, durante a missa de Pentecostes, na festa de Frei Damião, entregou publicamente a Causa de Beatificação e Canonização do  capuchinho Servo de Deus Dom Frei Vital de Oliveira aos Frades Capuchinhos para que conduzam o processo que já está na Congregação da Causa dos Santos, em Roma.









FONTE: http://proneb-capuchinhos.blogspot.it/2012/06/causa-de-dom-vital-entregue-aos.html

sentir


quinta-feira, 7 de junho de 2012

Frade Capuchinho brasileiro é nomeado bispo


FREI JOSÉ GISLON É O NOVO BISPO DE EREXIM

VATICANO - O Santo Padre Bento XVI aceitou a renúncia de Dom Girônimo Zanandréa, ao governo pastoral da diocese de Erexim (Brasil), apresentada em conformidade com cânone 401 § 1 do Código de Direito Canônico.
O Papa nomeou bispo da diocese di Erexim (Brasil) o Rev. Pe. Frei José Gislon, O.F.M. Cap., atual Definidor Geral da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos com sede em Roma.
Frei José Gislon, nasceu em 23 de fevereiro de 1957 em Ibirama, diocese de Rio do Sul, no estado de Santa Catarina. Após os estudos preparatórios, ele prestou o Serviço Militar de maio de 1976 até abril de 1977, no quartel da Polícia do Exército em Brasília.
Em 1978 ingressou no Seminário de Santa Maria dos frades Capuchinhos, em Engenheiro Gutierrez Irati, (PR), onde fez o Postulantado e o Curso Secundário de 1978 a 1980. Cursou a Filosofia em Ponta Grossa, no Instituto de Filosofia da Província do Capuchinha do Paraná, de 1982 a 1983 e fez a Teologia, no Instituto de Teologia de Londrina, de 1983 a 1986. Fez o Bacharelado em Teologia na Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Obteve a Licença em História Eclesiástica, na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma de 1992 a 1995.
Frei José Gislon ingressou no noviciado em 24 de janeiro de 1981, no Convento de Nossa Senhora das Mercês e emitiu a primeira Profissão Religiosa na Ordem dos Frades Menores Capuchinho em 24 de janeiro de 1982. Fez a sua Profissão Solene em 17 de outubro de 1986, em Engenheiro Gutierrez, Irati (PR) e foi ordenado sacerdote em Uraí (PR) no dia de 28 maio de 1988, por Dom Getúlio Teixeira Guimarães.
Frei José Gislon exerceu os encargos:
Diretor da Escola Vocacional Assunção, em Uraí; Coordenador da Pastoral Vocacional e Vigário Paroquial da Paróquia de Uraí, na diocese de Cornélio Procópio, de 1987 a 1992; Guardião, Mestre dos Postulantes e Ecônomo no Convento Santo Antônio em Tamandaré (PR), de 1996 a 1999; Professor de História da Igreja no “Studium Theologicum” na Arquidiocese de Curitiba de 1997 a 2000 e no Centro de Teologia da Arquidiocese de Cascavel de 1998 a 2000; III Definidor Provincial, Ecônomo Provincial e local, da Província Capuchinha do Paraná e Santa Catarina de 2000 a 2002; II Definidor Provincial, Ecônomo Provincial e Secretário da Administração de 2003 a 2005; Guardião e Ecônomo da fraternidade de N; Sra. das Mercês, em Curitiba de 2003 a 2005; Ministro Provincial da Província do Paraná e Santa Catarina, em Curitiba de 2005 a 2006. No Capítulo Geral de 2006 foi eleito Definidor Geral da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Roma, função exercida até hoje, quando foi nomeado bispo.


FONTE: http://www.db.ofmcap.org/pls/ofmcap/v3_s2ew_CONSULTAZIONE.mostra_pagina?id_pagina=6669

de quem


domingo, 3 de junho de 2012

Curso de formação em Frascati


CURSO DE FORMAÇÃO EM FRASCATI

FRASCATI –“Foi uma experiência nova do Deus vivo e verdadeiro” – afirmam os participantes do curso de formação de língua portuguesa, que aconteceu de 10 a 31 de maio de 2012. Trinta e um frades participantes provindos de Portugal, Timor Leste, Paraguai e Brasil (Bahia e Sergipe, Paraná-Santa Catarina, Maranhão, Pará, Amapá, Ceará-Piauí, São Paulo, Brasil Oeste, Brasil Central, Rio Grande do Sul, Nordeste do Brasil). Os participantes, depois da introdução teórica e residencial em Frascati, visitaram em peregrinação, os lugares franciscanos e capuchinhos: Assis e lugares vizinhos, Camerino e S. Giovanni Rotondo. Desta experiência surgiram tantas considerações, perguntas, sugestões e orações. “Neste lugar também as pedras falam e São Francisco tem me ensinado a viver, sejam os momentos difíceis e os mais belos da vida”; “O modo de vida de Francisco e dos primeiros capuchinhos me provoca e me situa atualmente a ser autêntico na minha vocação e dar testemunho do carisma franciscano-capuchinho”; “Se não bebo da fonte, o meu trabalho não pode dar fruto”; “Tenho experimentado quanto é belo ser capuchinho!”; “Agradeço ao Senhor por tudo, obrigado!”. O curso é concluído com o encontro com o Ministro geral e com a participação na Audiência geral da Quarta-feira com o Papa Bento XVI.
fonte: http://www.db.ofmcap.org/pls/ofmcap/v3_s2ew_CONSULTAZIONE.mostra_pagina?id_pagina=6635


sexta-feira, 1 de junho de 2012

FREI CARLOS EM ROMA, 01/06/2012

Frei Carlos Alexandre é um frade menor capuchinho da Província Nossa Senhora da Penha do Nordeste do Brasil, atualmente mora em Bom Conselho-PE, onde exerce as funções de vigário da fraternidade, vice-mestre de noviços e animador vocacional. Esteve este mês em Frascati (Itália) participando do curso de formação permanente da Ordem para os frades língua portuguesa. Terminado o curso, está passando alguns dias conosco aqui em Roma. Vejam um pouco desses belos momentos.

Vaticano

Vaticano

 Vaticano

Vaticano

Vaticano

Igreja de São Marcelino

 
Igreja de São Marcelino

Igreja de São Marcelino
Com Frei Francis, que está fazendo hoje mais um ano de vida.

Igreja de São Marcelino
Em oração

 Igreja de São Marcelino
Em oração

 
Com Frei Martin (africano) e Frei Andrea (indonesiano) nas ruas de Roma

Com Frei Martin (africano) e Frei Andrea (indonesiano) nas ruas de Roma

No Colégio Internacional dos Frades Capuchinhos - Roma

nada de errado


Paróquia Santa Maria Mãe

  Igreja-matriz da Paróquia Santa Maria Mãe  Natal-RN, 02/12/2022