O que é um Papa?


Dom Henrique Soares da Costa

            Sepultado João Paulo Magno, as atenções voltam-se, agora, para o Conclave que deverá eleger o novo Papa de Roma. Hoje, como para tudo se tem uma opinião – até para o que não se entende -, os noticiários estão coalhados de análises sem sentido, de visões totalmente deturpadas e de opiniões simplesmente simplórias, demonstrando total ignorância sobre o que é a Igreja e sua missão e sobre a identidade e missão de um papa. É triste, pois essa situação mostra até que ponto o Ocidente encontra-se desevangelizado... O cristianismo e a Igreja tornaram-se realidades exóticas, curiosas, algo que já não mais se compreende...
            Papa. Eis uma palavra que desperta tantas emoções: desprezo, ódio, mil preconceitos, desconfiança ou, enfim, veneração, respeito e amor. Que é um papa? Ele é, antes de tudo, Sucessor do Apóstolo Pedro, a quem o Senhor Jesus deu o primado sobre os Apóstolos e sobre todos os discípulos. Esse primado é de serviço e de amor, de modo que o papa é o primeiro responsável por testemunhar Jesus Cristo, Filho do Deus vivo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Salvador da humanidade. Sua primeira missão não é, portanto, fazer coisas, viajar muito, emanar decretos e normas, mas ser uma testemunha do Senhor Jesus, tal qual é acreditado, amado, adorado e anunciado pela Igreja nesses dois mil anos de caminho.
            Como Pedro terminou seus dias em Roma, no seio da Igreja romana, dando aí o seu supremo testemunho de amor a Nosso Senhor, derramando seu sangue por Cristo, os bispos de Roma são sucessores de Pedro. Como Pedro, a missão deles é sempre recordar, custodiar e proclamar a experiência fundamental da nossa fé: Jesus morto e ressuscitado é o Cristo, o Filho do Deus vivo, o Salvador! O papa é, então, Sucessor de Pedro como Bispo da Arquidiocese de Roma. Com essa Igreja romana todas as outras Igrejas (= dioceses) devem estar em comunhão de fé e de amor – esta é a convicção expressa desde os primórdios da Igreja e que foi se tornando cada vez mais explícita, cada vez mais forte. Também todos os bispos, sucessores dos Apóstolos, devem estar em comunhão com o Sucessor do Apóstolo Pedro, a quem Jesus constituiu cabeça do grupo dos Doze e seu princípio de unidade.
            É uma visão totalmente equivocada pensar o papa como o soberano do Estado do Vaticano ou como um governador-geral da Igreja ou como um monarca absoluto. Nada disso: ele é aquele que deve confirmar os irmãos na fé, com espírito de serviço e caridade. Certo, que isso não significa não saber o que quer nem muito menos admitir que a verdadeira fé apostólica seja colocada em perigo por doutrinas falsas e ambíguas. Na Igreja, a proclamação da Verdade deve ser sempre caridosa e a vivência da Caridade deve ser sempre verdadeira.
            Quando um papa toma posições sobre fé e moral, ele não o faz pensando no que o mundo acha ou no que o mundo espera, mas somente na fidelidade à Palavra de Deus tal como a Igreja sempre a escutou, interpretou e ensinou. As questões que não são dogmaticamente fechadas e, por isso, são questões abertas, podem ser matéria de modificações e esclarecimento por parte de um novo papa; já aquelas que são questões de fé definidas, seja pelo ensinamento solene da Igreja seja pelo ensinamento definitivo não admitem mais modificações. Por exemplo: um papa poderia suspender a obrigatoriedade do celibato para os padres seculares, mas não poderia admitir mulheres ao sacerdócio. A primeira é uma questão de disciplina; a segunda é matéria de fé, ensinada de modo definitivo. Outro exemplo: um papa poderia ainda avançar no delicado tema do uso de anticoncepcionais, mas não pode jamais admitir o aborto ou uma bênção para pares homossexuais ou afirmar que as relações homossexuais são de acordo com o desígnio de Deus. Enquanto a primeira questão comporta alguns aspectos que não estão fechados, as questões do aborto e dos homossexuais são definitivas pela própria Palavra de Deus.
            Então, pensando na eleição do futuro papa, seria bom que ficasse bem claro o seguinte: (1) O papa não é o dono da Igreja nem pode fazer aquilo que bem quer e entende. Ele é o primeiro guardião da fé transmitida uma vez por todas aos cristãos e contida na Escritura interpretada à luz da perene Tradição da Igreja. (2) Conceitos como conservador, progressista, moderado, são conceitos muito relativos. O compromisso do papa e de qualquer ministro de Cristo é com o Evangelho, não com as expectativas do mundo. Um papa que estivesse preocupado em agradar à sociedade secularizada não agradaria a Cristo! (3) As especulações da mídia sobre quem será o futuro papa são desprovidas de fundamentos. Os cardeais votam de acordo com sua consciência. Agora mesmo, neste período de silêncio e maior conhecimento recíproco em que se encontram, podem surgir muitas possibilidades novas, que a imprensa sequer sonharia. Basta pensar em João Paulo I e João Paulo Magno – ninguém esperava a eleição deles. (4) A atitude correta para um bom católico é rezar, suplicando a Deus que nos dê um Pastor sábio e santo, apaixonado por Jesus e fiel à fé da Igreja. Somente assim é que se poderá servir de verdade à humanidade.
            Seja quem for o próximo papa, Bispo de Roma, ele é o Sucessor de Pedro e, como tal, Pastor supremo da Igreja de Cristo. A ele os cristãos devem obediência e respeito sincero pelos seus ensinamentos. Outras considerações: sua origem, suas posições teológicas, seu modo de ser, são de menor importância. Importa que ele seja o que vem em nome do Senhor e, por isso, será bem vindo. No coração dos católicos ficam sempre presentes as palavras do Senhor a Pedro: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. E as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu roguei por ti para que a tua fé não desfaleça: confirma os teus irmãos! Tu me amas? Apascenta as minhas ovelhas!”.

FONTE: 
http://www.domhenrique.com.br/index.php/artigos/282-que-e-um-papa

Postagens mais visitadas deste blog

Adriano Lima dos Santos

Corpus Christi e Renovação do MESCE