Castello Sforzesco





Il Castello Sforzesco è uno dei principali simboli di Milano e della sua storia. Fu costruito nel XV secolo da Francesco Sforza, divenuto da poco Duca di Milano, sui resti di una precedente fortificazione risalente al XIV secolo nota come Castrum Portae Jovis (Castello di porta Giovia o Zobia), e nei secoli ha subito notevoli trasformazioni. Fra il Cinquecento e il Seicento era una delle principali cittadelle militari d'Europa; ora è sede di importanti istituzioni culturali e meta turistica.
Castello Sforzesco
O Castello Sforzesco é um castelo de Milão construído no século XV por Francesco Sforza, tornado pouco depois Duque de Milão, sobre restos duma fortificação anterior datada do século XIV. Atualmente acolhe várias coleções dos museus e galerias de arte da cidade.
O atual quadrilátero do castelo inclui a ampla praça de armas, o corpo do edifício que contém a entrada e a torre mediana, sendo interrompido pela Torre de Bona di Savoia. Antes da fachada de ingresso fica o fosso morto, parte do antigo fosso medieval em correspondência ao qual ficam as fundações do Castello di porta Giovia. Uma porta dá acesso ao pátio da Corte Ducal, de forma retangular e com uma arcada em três dos lados. No lado oposto fica a Rocchetta, a parte do castelo mais inexpugnável, na qual os Sforza se refugiavam em caso de ataque.
O complexo do castelo fica no centro dum fosso, encerrando no seu interior muros renascentistas e alargado posteriormente (o chamado barco). Esta expansão em direção ao campo era chamada de Ghirlanda (foi abatida por Beltrami) e ligava-se ao castelo interior por outros rivellinos e por uma barbacã, ainda hoje visível, mas em ruínas, assim como por parte da Ghirlanda (projetada nas esquinas das sólidas torres).
Na década de 1990 foi construída na praça do castelo uma grande fonte inspirada numa anteriormente instalada naquele lugar.
O castelo abriga actualmente os Musei civici (museus cívicos), um reservatório de riquezas culturais: Pinacoteca do Castello Sforzesco (uma riquíssima coleção de pinturas, entre as quais estão incluídas obras de Antonello da Messina, Andrea Mantegna, Canaletto, Correggio, Tiepolo e a magnífica estátua de Michelangelo, a Pietà Rondanini); Museu da Pré-história; Museu Egípcio; Museu de Arte Antiga; Museu do Móvel; Colecção de Arte Aplicada; Museu dos Instrumentos Musicais; Rivellino do Santo Spirito (excursão entre os telhados e as passagens cobertas nos muros exteriores do castelo; Biblioteca de Arte do Castello Sforzesco; Cívica colecção dos sêlos Achille Bertarelli; Biblioteca Trivulziana; Livraria do Castelo - Art Bookstore Allemandi. Além de numerosas mostras itinerantes.
















 








Postagens mais visitadas deste blog

Adriano Lima dos Santos

Corpus Christi e Renovação do MESCE